sábado, 16 de abril de 2011

Mariana e Pedro


No grupo experimentei um sentimento lindo: a aceitação. Você é aceita em suas necessidades: bebê dormindo, bebê  mamando, bebê chorando, bebê brincando, bebê bagunçando. É uma vivência de acolhimento do seu ritmo, do seu tempo, do seu momento.... 
 O corpo cansado, dolorido, adormecido, recebe mãos mais conscientes, orientadas, voltando pra casa renovado.
O coração palpitante em dúvidas, desejos, medos e ansiedades, encontra espaço de troca , de compartilhamento com outras mães, nos tornando naturalmente mais fortalecidas.
Cresci muito em poucos encontros, aprendi a me respeitar mais como mulher e mãe, a dar mais significado ao que sinto em relação ao meu bebezinho... Vale muito a pena!